Naiguatá GC 23 Venezuela divulga vídeo da colisão de seu navio de guerra

Venezuela divulga vídeo da colisão de seu navio de guerra

Vídeos mostram imagens da colisão envolveu uma embarcação de bandeira portuguesa e um navio da marinha venezuelana. O navio estava patrulhando a costa da Venezuela

As autoridades venezuelanas divulgaram neste sábado um vídeo editado que mostra o momento da colisão entre o cruzeiro de bandeira portuguesa Resolute e uma embarcação da Marinha da Venezuela, provocando o naufrágio da segunda.

Nas imagens é possível ver um tripulante do barco Naiguatá GC-23 abrindo fogo, alertando a embarcação portuguesa, aparentemente, os tiros disparados não foram em em direção ao Resolute, enquanto uma voz ordena “que parem as máquinas”. No plano seguinte vê-se o que aparenta ser a proa do navio português em colisão com o barco venezuelano.Publicidade

Num outro vídeo divulgado pela Armada Bolivariana, o comandante-geral da Marinha venezuelana, almirante Giuseppe Alessandrello Cimadevilla, alega que que o navio de cruzeiro Resolute reconheceu autoridade à guarda costeira, mas recusou seguir ordens. Depois, “agride e atinge a nave venezuelana”, afirma.

Em declarações à TSF(Jornal de Portugal) depois deste incidente, o ministro dos Negócios Estrangeiros diz que é preciso apurar “as razões e os responsáveis” pela colisão entre o barco da guarda costeira Naiguatá GC-23, que provocou o naufrágio da embarcação venezuelana.

Segundo o o chefe da diplomacia portuguesa “há versões desencontradas” da mesma história: não há consenso sobre se o navio estava em águas territoriais venezuelanas ou águas internacionais e sobre a forma como foi prestado o socorro legalmente devido aos náufragos.

Neste momento navio cruzeiro de bandeira portuguesa está no porto de Willemstad, na ilha de Curaçau, sob tutela das autoridades administrativas e judiciais holandesas, e Augusto Santos Silva garante que “Portugal colaborará, evidentemente, quer com a Venezuela quer com a Holanda no apuramento integral deste incidente”.

Segundo o Ministério da Defesa da Venezuela, o barco da guarda costeira realizava “tarefas de patrulhamento marítimo” no mar territorial venezuelano quando “foi atingido pelo navio de passageiros Resolute a norte da ilha de La Tortuga.

Navio Resolute
Navio português Resolute

A Venezuela acusa ainda o navio Resolute de não ter atendido ao “resgate da tripulação, violando os regulamentos internacionais que regulam o resgate da vida no mar”. A tripulação terá sido resgatada pelas autoridades venezuelanas. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou mesmo o cruzeiro de bandeira portuguesa Resolute de ter realizado um ato de “terrorismo e pirataria”, argumentando que “se tivesse sido um barco de turistas não teria tido essa atitude de querer agredir”.Patrocinio

Por sua vez, a empresas Columbian Cruise Services, que explora a embarcação Resolute, garante que o cruzeiro de bandeira portuguesa foi “objeto de um ato de agressão” por uma embarcação da Marinha venezuelana em águas internacionais, enquanto fazia a manutenção de um motor.

Compartilhe

Inscreva-se para ganhar até 65% de descontos em produtos da Amazon