navios rotas comerciais venezuela irã

Mais navios iranianos chegam à Venezuela

(Flávio, DCT Redação, OMA) – No começo de abril, cinco petroleiros provenientes do Irã carregados de gasolina em direção a Venezuela chamou a atenção do mundo, não por menos.

Além de ambos países estarem sob sanções impostas pelos EUA, a Venezuela é um grande produtor de petróleo. Assim como o Irã.

A necessidade de importar gasolina mostrou a fragilidade do setor petroleiro no país de Nicolas Maduro. Que, através de fontes, grande parte de suas refinarias encontram-se em estado de abandono e incapaz de produzir seu próprio combustível.

Diante a crise venezuelana e sob holofote das mídias mundiais, a US NAVY mantém grande contingente marítimo próximo a costa da Venezuela sob a alegação de conter o narcotráfico controlado por Nicolas Maduro.

No fim, os petroleiros cumpriram sua missão comercial sem interferência externa.

Uma nova rota comercial entre Irã e Venezuela.

O comandante da 4th frota naval dos EUA, que opera no mar do Caribe, disse que não há intenções dos EUA em interferir em rotas comerciais seja do Irã ou da Venezuela, a força militar está ali apenas para combater o narcotráfico e nada mais. Segundo o militar.

Diversas imagens de submarinos do trafico são remetidas à imprensa quase que semanalmente.

Sem ameaças, Irã e Venezuela continuam em sua cooperação mutua, desta vez com navio Golsan, carregado de alimentos, insumos médicos e peças para recuperar suas refinarias. o cargueiro já se encontra em águas venezuelana.

O site TankerTrackers.com informou no sábado (20) que o navio de bandeira iraniana Golsan deixou o porto de Shahid Rajaee na cidade de Bandar Abbas, no sul do Irã, em 17 de maio e agora está nas águas do Caribe, em direção às costa venezuelana.

mapa golfo persico Mais navios iranianos chegam à Venezuela
Local do Porto de Shahid Rajaee, cidade de Bandar Abbas, Irã.

O navio deve atracar nos portos do país latino-americano nos próximos dias.

O presidente Maduro agradeceu ao Irã, China, Rússia e Cuba por sua assistência a Caracas, descrevendo-os como os verdadeiros amigos de seu país.

“A ajuda humanitária proveniente da China, Rússia, Irã e Cuba mostram que eles são verdadeiros amigos da Venezuela”, disse Maduro em discurso transmitido pela TV estatal.

Outras autoridades disseram que o governo de Maduro solicitará ao Irã mais suprimentos nas próximas semanas para dar à companhia estatal de petróleo PDVSA mais tempo para recuperar parte de sua capacidade de refino.

Maduro disse que visitará o Irã assim que as condições de saúde resultantes do novo surto de coronavírus permitirem, para agradecer ao governo iraniano e assinar um “acordo bilateral de alto nível que fortaleça os laços energéticos, financeiros e militares”. Em suas palavras.

Porto de Shahid Rajaee
Porto de Shahid Rajaee, através deste complexo maritimo Irã e venezuela traçam novas rotas comerciais marítimas. Imagem: Wikipedia

“Sou obrigado a agradecer pessoalmente ao povo iraniano”, disse Maduro em um discurso na televisão estatal, sem fornecer uma data para a visita.

Enquanto Venezuela e Irã continuam explorando essa nova rota comercial marítima o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que no momento está em campanha para sua reeleição disse que só se encontrará com Nicolas Maduro para negociar sua saída.

Diante aos discursos agressivos dos lideres das 3 nações estamos apenas vendo uma nova rota comercial surgindo, assim como foi durante o século XV com Portugal e Espanha na procura do caminho as Índias.

Certamente haverá novos capítulos nesta história. O que provavelmente não passará de mais ataques verbais.

Fontes: Far.news, SOUTHCOM e TankerTrackers.com

Flávio Romeu Picinini Junior
Flávio Romeu Picinini Junior

Piloto de avião, cursando Administração de Empresas. Peguei a paixão pela leitura e resolvi colocar em formas de artigos. Gosto de pesquisar, entrar a fundo em qualquer tipo de tema e entender as questões e fatos do dia a dia.

Continua após publicidade.
Compartilhe

Inscreva-se para ganhar até 65% de descontos em produtos da Amazon