Mudanças climáticas: a década mais quente de todos os tempos 1 incendio florestal groelandia 1 scaled

Mudanças climáticas: a década mais quente de todos os tempos

Dados de satélites e estudos meteorológicos mostram que chegamos no fim da década mais quente de todos os tempos. A previsão é que o planeta Terra ficará mais quente.

Ondas de calor mortais, incêndios florestais, furacões e grandes enchentes marcou uma década de extremos que, diversos cientistas mostram , o aquecimento global está mais rápido do que nunca visto antes.

Ffuracões e ondas de calor marcaram o ano do aquecimento global.

Quase no fim desta década, cientistas concordam que 2019 foi o segundo ano mais quente de todos os tempos dentro da década mais quente de todos os tempos. No período de 10 anos, 8 anos bateram recorde no aumento da temperatura em todo o globo.

O gelo ártico derreteu rapidamente e não retornou ao antigo patamar durante o outono passado no hemisfério norte. Grandes faixas dos oceanos continuaram a manter a taxa de crescimento da temperatura durante todos os ano e em algumas regiões, deu inicio grande furacões e tempestades tropicais surpreendendo até as mais exatas previsões meteorológicas devido a suas rápidas formações.

Grande areas populosa europeia sentiram grandes ondas de calor que ocasionou centenas de mortes. E ainda, grande areas cultiváveis dos E.U.A. sofreram grandes inundações por meses a fio.

Fogos em areas florestais surgiram em todo o globo terrestre. Muitas vezes começando fora de períodos de secas ou até em lugares que jamais teriam acontecidos antes, como no Reino Unido.

Tivemos grandes areas devastadas pelo fogo na Sibéria, algumas partes da região do Ártico e que também devastou grande parte do estado norte americano da Califórnia. Assim como a Austrália (experimentou as maiores onda de calor), que irá fechar a década praticamente entre fumaças das queimas, seja nas areas menos populosas ou até na região de Sidney. Na Austrália, temperaturas ficaram acima dos 45 graus Celsius em algumas localidades.

No inicio desde ano, cientistas haviam alertado sobre as consequências do aumento da temperatura. ” Durante toda a década ou metade dela nós vivenciamos um novo padrão da temperatura global, lógico, que diante a isto ficou muito óbvio que, diante ao sséculo passado nosso mundo mudou.” disse Deke Arndt, chefe do monitoramento do clima do NOAA ( Administração Nacional Oceânica e Atmosférica – em português)

O calor recorde está afetando milhões de pessoas no mundo inteiro, a World Meteorological Organization disse que mais de 10 milhões de perderam suas casas devido a mudanças climáticas extremas somente na primeira metade do ano de 2019. A organização já alerta que o numero de mosquitos transmissores de doenças vai aumentar consideravelmente provocando doenças como a malária.

O aumento do nível médio dos oceanos poderá causa extensas erosões tornando areas inabitáveis. Temperaturas muito altas poderá prejudicar a agricultura e causar distúrbios em relação a suprimento de água.

“Registramos entre 2.000 e 3000 mortes devido a ondas de calor”

Omar Baddour – World Meteorological weather organization

Isso é muito sério, ainda que sustentamos um crescimento da temperatura em torno de 3° a 5° até o fim do século. Isso poderá tornar um desastre ecológico e para os humanos sem precedentes, frisou Omar Baddour.

Prevenindo o aumento das temperaturas

Do ano de 2010 até agora foi a década atribuída a ciência a ferramenta mais vantajosa para criar soluções que possam reduzir as mudanças climáticas. Através de instituições governamentais ou privadas é essencial grandes investimentos que possam alinhar o crescimento econômico do planeta reduzindo os danos causados pelo homem, seja através de novas tecnologias, estudos ou até campanhas que ajudam a mudar o comportamento humano.

Cientistas identificaram 10 recordes no aumento da temperatura global no ano de 2014, provavelmente ligadas ao aquecimento global. Muitos deles podem não estar limitados somente a emissão de gases emitidos por nós humanos.

Para resolver o problema, primeiro, os cientistas tem que identificar as principais causas, estuda-las detalhadamente, discuti-las através de encontro internacionais e divulgar amplamente para a população as causas e consequenciais. O assunto é sério e não é muito fácil de resolver. O problema é que no final desta década, problemas climáticos cresceram acima do que já se era esperado.

Ajude-nos a crescer? Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •